• Redação

Risk Management: guia de gerenciamento de risco para empresas


gerenciamento-de-risco

Tomadas de decisões melhores, ambiente mais confiável, mais segurança nos processos, aprimoramento dos produtos e serviços entregues. Esses são apenas alguns exemplos das vantagens de fazer um bom gerenciamento de risco para o seu negócio.


É importante que você tenha em mente que, a partir do momento em que a sua empresa foi criada, ela se tornou suscetível a perigos e a ameaças, tanto internas quanto externas.


Como o mercado se comportará de agora em diante? Quais serão os impactos da economia nacional no segmento? O que fazer diante de diferentes comportamentos dos clientes? Quais medidas tomar caso não consiga atender a demanda do público?


Essas são apenas algumas das variáveis possíveis de serem vividas por uma companhia, e isso independentemente do seu porte ou setor de atuação.


E se, mesmo depois de todos esses apontamentos, você ainda se pergunta o que é gerenciamento de risco em uma empresa, saiba que se trata de um processo que ajuda na identificação de potenciais eventos, ajudando a se preparar adequadamente para eles e também dando a chance de o negócio sofrer os menores impactos possíveis.


Vale destacar ainda que a gestão de risco visa tanto a identificação de incertezas (que podem ter reflexos negativos) quanto de oportunidades (que, quando aproveitadas, fomentam o crescimento da empresa).


Além disso, um bom processo de risk management, como também pode ser chamado, é de suma importância para que o planejamento estratégico do negócio possa ser colocado em prática conforme o esperado.


Tipos de gerenciamento de risco

Como dissemos, uma organização está sujeita aos mais variados perigos. Entre os tipos de riscos que merecem a atenção dos gestores estão:

  • Riscos estratégicos

  • Riscos de compliance

  • Riscos operacionais

  • Riscos financeiros

  • Riscos reputacionais

Riscos estratégicos

No conceito de gerenciamento de risco, o estratégico está voltado para a capacidade de um negócio de avaliar cenários externos e se adaptar às mudanças. De forma prática quer dizer, basicamente, tomar ações e medidas que evitem deixar a empresa desatualizada, a exemplo da adoção das tecnologias mais modernas, processos atualizados e evolução ou lançamento de novas linhas de produtos ou serviços que atendam às necessidades do mercado, garantindo, assim, a sua competitividade.


Riscos de compliance

O risco de compliance, ou de conformidade, significa não atender às modificações do ambiente regulatório no qual o negócio está inserido.


Uma das leis que pode ser citada como exemplo é a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), que abrange praticamente todos os segmentos e, quando não atendida, gera uma série de problemas para as organizações, tais como o pagamento de multa.


Riscos operacionais

Os riscos operacionais são os perigos internos aos quais as empresas estão sujeitas. Aqui, estamos falando tanto de falhas humanas quanto de equipamentos que podem comprometer o fluxo de trabalho, a atuação da companhia e seu relacionamento com clientes e fornecedores, levando até a consideráveis perdas financeiras.


Dica de leitura: “O que só o ser humano consegue entregar? A importância de processos humanizados


Riscos financeiros

O risk management financeiro não se limita ao gerenciamento de entradas e saídas de valores de um negócio. Esse tipo de risco também abrange questões como identificação de pontos de prejuízo monetário, de processos que geram gastos excedentes e outras situações que precisam ser ajustadas para manter a saúde financeira da empresa.


Riscos reputacionais

Uma marca que tem a sua imagem comprometida sente forte impacto nos seus mais variados relacionamentos: clientes e potenciais compradores, fornecedores, funcionários e possíveis investidores.


Para mitigar o risco reputacional é essencial se atentar ao posicionamento da empresa, para que ele seja genuíno, perante diferentes vertentes, tais como cuidado com o meio ambiente, diversidade, inclusão, entre outros temas.


Aproveite e leia também: “ESG em startups: negócios verdes chamam a atenção de investidores


Fazendo a gestão de risco da sua empresa

Quanto às etapas do gerenciamento de risco empresarial, o passo a passo sugerido é:

  1. Identifique quais são os riscos do seu negócio

  2. Analise os potenciais impactos

  3. Tome as medidas necessárias para resolver a questão

  4. Faça o monitoramento constante dos riscos


1. Identifique quais são os riscos do seu negócio

O risk management tende a ser particular de cada modelo de negócio. Por esse motivo, é preciso avaliar os pontos específicos da organização, alinhando os seus objetivos e planejamento estratégico, a fim de identificar quais são os potenciais perigos que precisam ser enfrentados.


2. Analise os potenciais impactos

Esta etapa do plano de gerenciamento de risco visa definir prioridades, apontando qual tipo de evento deve ser abordado primeiro em prol do crescimento da companhia.


Para isso, os gestores devem considerar aquele que mais impacto pode causar no negócio, mas sem deixar de tratar, posteriormente, os demais.


3. Tome as medidas necessárias para resolver a questão

Como dissemos, um dos principais objetivos da gestão de risco para as empresas é dar a chance de os negócios se prepararem para lidar da maneira correta com eventuais ameaças que podem ir contra o seu sucesso.


Assim, uma vez que os riscos estão identificados, bem como o seu poder de impacto, fica mais fácil para os gestores verificarem quais ações devem colocar em prática para "fechar as portas” para esses problemas antes que eles impactem o negócio.


4. Faça o monitoramento constante dos riscos

Nem todo o risco pode ser eliminado definitivamente, um bom exemplo disso são os externos, como os relacionados às mudanças econômicas.


Por isso, montar o gerenciamento de risco empresarial não significa que essa estratégia esteja finalizada para sempre. Na prática, é essencial continuar monitorando — e bem de perto — todos os perigos aos quais a empresa ainda está sujeita e seguir adotando medidas para mitigá-los.


É importante deixarmos claro aqui que o uso da tecnologia é primordial para a aplicação e para a obtenção de bons resultados de todas essas etapas de risk management que acabamos de citar.


O Big Data Analytics, por exemplo, ajuda no mapeamento de risco do negócio por usar dados reais gerados pela companhia como base para as análises e tomadas de decisões.


A importância do gerenciamento de riscos para o seu negócio

Um dos maiores benefícios da gestão de risco para as empresas é prever possíveis cenários e, com isso, ter a chance de se preparar adequadamente para enfrentá-los.


Somado a isso, vale relembrar o que dissemos logo na abertura deste artigo: que o risk management também ajuda a identificar oportunidades que, quando aproveitadas, podem fazer toda a diferença no sucesso de uma marca.


A quais perigos a sua empresa está sujeita? Se este artigo ajuda você a encontrar essa resposta, aproveite e assine a nossa newsletter para receber outros conteúdos tão relevantes quanto este!