• Redação

Processo de M&A: um dos caminhos de crescimento para os negócios


Se engana quem pensa que um processo de M&A (Mergers and Acquisitions, em português, fusões e aquisições) é uma realidade possível apenas para grandes empresas, em negociações que resultam em transações milionárias.


Ou ainda, que essa aliança seja interessante apenas para grandes negócios que têm o objetivo de comprar companhias menores com o intuito de “dominar” o setor no qual atuam.


O fato é que um processo de M&A pode ser realizado para unir empresas com o mesmo propósito — mesmo que de pequeno ou médio porte —, ou ainda empreendimentos com soluções que se complementam, a fim de, ao se tornarem um só, alcançarem o tão desejado sucesso.


Um ótimo exemplo de fusão e aquisição que deu certo, e não que vem de companhias gigantescas, somos nós mesmos, a Movile. Tudo começou em 1998, quando ainda operávamos sob o nome Compera. Visando sempre crescer, em 2007 partimos para a fusão com a NTime e, logo após, para a compra da CycleLogic, entre vários outros movimentos similares.


A união desses, até então, pequenos negócios da área de mensageria mobile, foi um dos passos mais importantes para a expansão das operações na América Latina do nosso core business na época. Nos tornamos líderes no setor em toda a região da América Latina exatamente por passarmos pelos M&As corretos.

Mas muitos outros negócios seguem essa mesma trilha, tanto que isso resultou em 247 operações de M&As de startups em 2021, segundo dados do relatório “Report Retrospectiva 2021”, da Distrito.


Seja para potencializar a transformação digital da empresa, incluir novas tecnologias, desenvolver novos produtos e/ou serviços, entre outras possibilidades, o processo de M&A é um dos caminhos indicados a ser seguido por quem busca o crescimento do seu empreendimento.


Teria algum segredo para se tornar parte de uma fusão ou aquisição? Continue a leitura deste artigo e confira.


O que é um processo de M&A e como está o atual cenário brasileiro

Como dissemos, mais de 240 empresas passaram pelo processo de M&A em 2021, o que representa um recorde histórico de operações desse tipo.


Esse número, conforme aponta o levantamento, inclui negociações de fusão e aquisição tanto de startups adquiridas por empresas tradicionais quanto por outras startups.


Alguns exemplos foram a fusão da CyberLabs e da PSafe, que resultou na formação do maior grupo de cibersegurança da América Latina; e a compra da plataforma digital de moda Steal the Look pela Magazine Luiza. Mais recentemente, já em 2022, a compra da Kenoby pela concorrente Gupy também foi altamente comentada.


Um processo de M&A tem como principal objetivo promover o crescimento dos negócios envolvidos nessa operação. Por conta disso, essa operação pode ser utilizada com o propósito de:

  • contribuir para ganhar mais força e espaço no mercado de atuação;

  • adicionar soluções e tecnologias que ainda não faziam parte do negócio;

  • aprimorar as soluções e tecnologias já utilizadas;

  • absorver bons profissionais de outras empresas (o chamado acqui-hiring);

  • abrir caminho para o atendimento de um novo público e/ou de uma nova vertente de atuação.


Lembrando que tudo isso pode ser fomentado com a compra e venda total ou parcial da empresa que está passando pela operação de fusão e aquisição. Tudo depende do que se pretende alcançar.


Dica de leitura: “O jeito Movile de investir em novas companhias e as conexões para um crescimento mútuo


As etapas de uma operação M&A

É bem importante que você tenha em mente que um processo de Mergers and Acquisitions não tem uma fórmula exata. Ou seja, não há um passo a passo que deve obrigatoriamente ser seguido para conclusão dessa operação.


Mas, em linhas gerais, é possível ter um direcionamento do que precisa ser feito para a conclusão de uma fusão ou aquisição.


Para isso, comece entendendo que há dois lados nessa negociação: o buy-side (lado da compra) e o sell-side (lado da venda).


Buy-side

Do lado de quem compra, o principal a se fazer é montar uma boa estratégia de aquisição. Esse planejamento consiste em buscar negócios compatíveis com o propósito de crescimento da companhia.


Para isso, devem ser considerados alguns pontos de análise, por exemplo:

  • características que a empresa a ser comprada tem e que podem gerar valor em médio e longo prazo;

  • tecnologia, produtos oferecidos e o que vem pela frente no roadmap;

  • local de atuação, geograficamente falando;

  • equipe, liderança e cultura

  • segmento, assim como potencial de crescimento dentro dele;

  • receita e outros indicadores de desempenho relevantes para o seu negócio.


Sell-side

Do ponto de vista de quem está vendendo, seja de forma ativa ou não, há mais pontos que precisam ser levantados para a conclusão de um processo de fusão e aquisição. São eles:

  • Pré-diligência: o comprador irá requisitar uma análise do seu mercado e de time, contingências contábeis e jurídicas, entre outros levantamentos;

  • Construção de materiais do deal: para apresentação dos documentos estratégicos da empresa;

  • Contato com os potenciais compradores: com o propósito de que esses avaliem os materiais e dados apresentados

  • Negociação: seleção das compradoras mais alinhadas com as metas e momento da empresa que está sendo vendida;

  • Due Diligence: análises aprofundadas das áreas jurídicas e financeiras do negócio alvo da compra, assim como de sua liderança, caso faça sentido — será requisitado pelo comprador;

  • Oferta final: valores e condições oferecidas com base nas análises anteriores;

  • Negociação dos termos finais e signing: definição dos termos da negociação e assinatura de aceite;

  • Fechamento da transação: pagamento, providências jurídicas e contábeis relacionadas ao deal e anúncio público sobre a M&A (o anúncio pode ser feito durante o signing também, a depender da estratégia e limitações de ambas empresas);

  • Integração: integração da operação, times, cultura e toda estrutura das empresas, com ou sem inclusão de metas financeiras (o chamado earn-out).

Tempo total de um processo de M&A

Um processo de fusão e aquisição não é algo que acontece da noite para o dia. Isso acontece porque é preciso passar por diversas fases que, quando somadas, podem resultar entre 12 a 18 meses ou até mais de trabalho. Por isso, é preciso ter paciência e foco!


Em média de mercado, o tempo necessário para cada etapa são:

  • Pré-diligência: entre 1 e 2 meses;

  • Construção de materiais do deal: 1 mês;

  • Contato com os potenciais compradores: 2 meses;

  • Negociação: indeterminado, visto que é um dos momentos mais importantes e igualmente complexos. Encontrar um parceiro que faça sentido com seus objetivos de negócio pode demandar bastante tempo;

  • Due Diligence: entre 2 a 3 meses;

  • Oferta final + negociação dos termos finais e signing: até 2 meses;

  • Fechamento da transação: um dia ou alguns meses;

  • Integração: poucos meses ou até mais de 3 anos.

4 dicas para quem busca um processo de M&A

Sua empresa está preparada para passar por um M&A? Nossas dicas para isso são:

  • garanta que o seu negócio esteja sempre pronto para esse tipo de processo, como mantendo a parte fiscal e tributária em dia;

  • tenha o seu valuation bem definido, assim como todos os indicadores e demonstrativos que comprovam aquele valuation;

  • posicione para o mercado a sua abertura a processos de M&A, por exemplo, entrando em contato com potenciais investidores;

  • não pule etapas e avalie cada uma delas minuciosamente com a ajuda de uma boa equipe jurídica — o seu comprador provavelmente fará o mesmo de maneira extremamente atenciosa.


Acredita que essas dicas e orientações podem ajudar para o sucesso do seu negócio? Então assine agora mesmo a newsletter do Movile Orbit para não perder nenhum artigo como este!