• Redação

Saúde mental no trabalho: como manter o crescimento sem criar um ambiente que adoece?



A saúde mental no trabalho tem sido um tema cada vez mais debatido. Contudo, pensar no bem-estar dos colaboradores ainda é uma pauta que está se desenhando aos poucos para muitas empresas.


Sabemos que o trabalho ocupa um lugar de destaque em nossas vidas. Para além de seu importante papel em nossa subsistência, é por meio dele que nos realizamos enquanto indivíduos, nos sentimos úteis e contribuímos para a sociedade.


Ainda assim, a rotina acelerada, prazos e cobranças são apenas alguns dos elementos que fazem parte do dia a dia. Essas e várias outras questões podem prejudicar o desempenho dos colaboradores e, até mesmo, adoecê-los.


Para você ter uma noção, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que aproximadamente 264 milhões de pessoas sofram de depressão no mundo todo. Dessas, muitas ainda apresentam sintomas de ansiedade. Isso gera uma perda de US$ 1 trilhão para a economia mundial todos os anos.


Agora, some isso ao fato de que os transtornos mentais são a terceira maior causa de afastamentos do trabalho, e temos uma dimensão da importância de se investir em saúde mental nesses espaços.


Consoante a isso, os dados da OMS ainda apontam que cada US$ 1 investido na qualidade de vida dos trabalhadores gera um retorno de US$ 4 em saúde e produtividade.


Ou seja, está mais do que clara a necessidade das empresas investirem em políticas voltadas para a criação de ambientes mais positivos. Não só pelo impacto social, mas também visando a um crescimento responsável e sustentável.


Quer entender melhor a importância da saúde mental no trabalho? Então continue conosco, pois além de explicar a relação entre saúde e produtividade, apresentaremos vários exemplos de ações focadas no bem-estar dos colaboradores.


O que significa saúde mental no ambiente de trabalho?


A OMS define saúde mental como:


“Um estado de bem-estar, que permite que as pessoas percebam suas próprias habilidades, lidem com o estresse da vida, aprendam e trabalhem de forma produtiva, contribuindo com sua comunidade.”

Trazendo este conceito para o local de trabalho, estamos basicamente falando de um espaço saudável, que valoriza e respeita seus colaboradores, encorajando seu crescimento e desenvolvimento enquanto profissionais.


Ou seja: um lugar onde todos contribuem ativamente para a promoção da saúde, da segurança e do bem-estar.


Assim, falar em saúde mental no trabalho passa por entender como o ambiente organizacional afeta a vida das pessoas que lá atuam, tanto dentro como fora da empresa.


Ou seja, significa identificar esses impactos e compreender como eles interferem na produtividade, bem como na saúde global de seus colaboradores.


Qual a importância da saúde mental no trabalho?


Ao contrário do que muitos pensam, promover a saúde mental no ambiente profissional não é apenas um mero capricho, tão pouco um gasto desnecessário ou “modismo”.


Um ambiente saudável favorece a criação de um clima organizacional positivo, o que é fundamental para que as pessoas se sintam felizes e motivadas, aumentando seu engajamento e elevando sua produtividade.


Ou seja, investir na saúde psicológica dos funcionários, além de proporcionar mais qualidade de vida, é uma ótima estratégia para melhorar os resultados da companhia.


Assim, as organizações que se preocupam com o bem-estar de seus colaboradores, desenvolvendo ações voltadas para essa questão, tendem a colher uma série de benefícios, sobre os quais falaremos adiante.


Como o ambiente de trabalho influencia a saúde mental das pessoas?


O trabalho é parte importante da vida de todos nós. Por conta disso, causa um impacto significativo na forma como nos sentimos.


Seja no escritório ou em home office, os elementos que configuram este ambiente afetam nosso psicológico de várias formas.


Mais do que um ganha-pão, o trabalho é uma forma de nos sentirmos úteis e atuantes na sociedade. Assim, quando esses impactos são positivos, tendemos a nos sentir realizados e satisfeitos por contribuir com os resultados da empresa.


Porém, o contrário também é válido, como veremos a seguir.


Quais são as consequências de um ambiente profissional ruim?

Segundo a OMS, ambientes nocivos causam danos que prejudicam tanto a saúde física quanto a mental dos trabalhadores.


Entre as principais consequências deste clima negativo, temos desde sentimentos de insatisfação e desmotivação — que levam à queda de produtividade — até questões mais complexas, como: ansiedade, estresse, depressão e burnout.


Ou seja, um ambiente tóxico adoece as pessoas, gerando uma série de problemas, tanto para os colaboradores, quanto para a própria empresa, que precisa lidar com questões como: absenteísmo, afastamentos, rotatividade e queda de indicadores.


Quais são os fatores de risco para a saúde mental no ambiente de trabalho?

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), dentre os principais fatores de risco para a saúde mental no ambiente de trabalho, estão:

  • bullying;

  • assédio;

  • sobrecarga de trabalho;

  • jornadas exaustivas;

  • ameaça do desemprego;

  • baixos níveis de apoio a funcionários;

  • políticas inadequadas de saúde e segurança;

  • falta de comunicação e de práticas de gestão;

  • participação limitada na tomada de decisões;

  • falta de clareza na determinação das tarefas ou de objetivos organizacionais;

  • tarefas inadequadas às competências dos colaboradores.

Ainda podemos acrescentar: metas inalcançáveis, competitividade intensa, comunicação violenta, dentre tantas outras.


Ou seja, trata-se de uma questão multidisciplinar, que exige das lideranças uma postura de comprometimento com o bem-estar de todos, mas também do próprio trabalhador, em relação a si mesmo.


Então, as empresas não devem cobrar seus funcionários?

É claro que a empresa deve incentivar a produtividade de suas equipes.


Porém, isso não pode ser feito de qualquer jeito. É importante fazer uma leitura profunda de cada contexto e conhecer os limites. Do contrário, aquilo que deveria ser uma ação voltada para gerar melhores resultados, pode ocasionar o oposto.


Como a saúde mental influencia o trabalho?


Se um ambiente tóxico adoece as pessoas, um ambiente saudável tende a torná-las mais motivadas e produtivas, o que, de modo geral, contribui positivamente para os resultados da organização, tanto do ponto de vista social, quanto financeiro.


Outro ponto positivo é a redução do absenteísmo e da rotatividade, proporcionada principalmente por condições favoráveis ao convívio e ao trabalho.


Assim, a relação entre os membros das equipes e suas lideranças se tornam melhores. Logo, os colaboradores passam a fazer questão de permanecer na empresa.


E não para por aí, além de contribuir para a retenção de talentos, a organização passa a atrair ainda mais pessoas interessadas em trabalhar em um local acolhedor, que se preocupa com os colaboradores de fato, valoriza os seus e zela pelo bem-estar.


Afinal, quem não gosta de fazer parte e contribuir para um ambiente seguro, saudável e harmonioso, não é mesmo?


Portanto, podemos afirmar que ao investir na promoção da saúde mental no trabalho, todos saem ganhando. Isso é incrível, concorda?


A esta altura você deve estar se perguntando:


“Mas afinal, o que um líder ou dono de empresa pode fazer para tornar este ambiente mais saudável e positivo para as pessoas que ali trabalham?”


É o que veremos no próximo tópico!


7 ações para melhorar a saúde mental no trabalho


Um ambiente de trabalho saudável se constrói a partir de políticas voltadas para o bem-estar de todos que fazem parte da organização. De modo geral, isso é feito por meio de práticas que visam o equilíbrio entre os âmbitos pessoal e profissional.


Confira alguns exemplos de ações para melhorar a saúde mental no trabalho:


1. Fazer pesquisas de satisfação e clima organizacional

A melhor forma de entender como uma pessoa se sente é perguntando diretamente a ela, concorda?


É justamente essa a função das pesquisas de satisfação e clima: entender o que se passa com cada colaborador, como é sua relação com a empresa, colegas e líderes, e entender o que pode ser melhorado para promover bem-estar.


Também vale mencionar que dar voz aos trabalhadores cria um sentimento de pertencimento e incentiva a participação, uma vez que eles percebem que suas opiniões são valorizadas. Ou seja, sentem que realmente fazem parte da organização.


2. Implementar uma cultura de feedback

O feedback é um elemento importante em qualquer tipo de relação. É por meio dele que conhecemos nossos pontos fortes e entendemos como corrigir nossas falhas.


Assim, essa prática é fundamental para que as pessoas desenvolvam sua autopercepção e, ao mesmo tempo, tenham seu trabalho reconhecido.


Contudo, é imprescindível que seja feito de forma assertiva, com empatia e respeito.


Além disso, precisa ser uma via de mão dupla. Ou seja, a empresa também deve estar aberta a ouvir o feedback de seus colaboradores, validando seu ponto de vista e buscando sempre o melhor caminho para ambos os lados.


3. Organizar rodas de conversa

A roda de conversa é uma estratégia bem conhecida para estimular a interação entre os membros de um grupo, favorecendo o entrosamento da equipe.


Consiste basicamente em criar um espaço seguro para trocas, onde as pessoas possam interagir e manifestar suas angústias, sem medo de serem julgadas.


Para uma experiência mais focada, é interessante que a roda tenha um tema definido e conte com a mediação de alguém experiente, que pode ser um membro da empresa ou mesmo um profissional de psicologia ou psiquiatria convidado.


4. Possuir convênio para acompanhamento psicológico

Pegando o gancho do tópico anterior, sabemos que nem todos se sentirão à vontade para se abrir em rodas de conversa. Isso é normal.


Pensando nisso, a empresa pode criar convênios com profissionais de psicologia, que podem dar acompanhamento psicológico aos seus funcionários.


A ideia aqui é criar uma estrutura capaz de amparar as pessoas, seja para prevenir problemas de saúde mental ou para tratar condições preexistentes.


5. Oferecer um bom programa de benefícios

Mais do que um diferencial para atrair talentos e complementar a remuneração dos colaboradores, o pacote de benefícios oferecido pela empresa deve contribuir para melhorar seu bem-estar.


Sendo assim, o principal deles não poderia ser outro: o plano de saúde, que favorece os cuidados com questões físicas e emocionais, seja para a realização de exames de rotina ou para o tratamento de questões mais complexas.


E, além de consultas em diversas especialidades, os trabalhadores podem ter acesso ao acompanhamento psicológico, que é essencial para proporcionar mais saúde mental no trabalho e demais âmbitos de sua vida.


Não podemos deixar de citar o plano odontológico, focado na saúde bucal, e o Gympass, que proporciona uma amplitude de práticas focadas na saúde mental e corporal, que vão do acesso a academias, até aulas de ioga e meditação.


Outros exemplos importantes que podemos mencionar, são:

  • férias, vale-alimentação e vale-refeição, que já fazem parte do pacote disponibilizado por grande parte das companhias;

  • auxílio combustível ou vale-transporte, essencial para que o trabalhador se desloque até a empresa, sem comprometer parte de sua renda;

  • auxílio creche, que possibilita que os pais tenham onde deixar seus filhos enquanto trabalham, podendo exercer suas funções com tranquilidade;

  • vale cultura, incentivando o consumo de cultura em seus mais diversos formatos, como livros, filmes, teatro, música, etc.

Esses são apenas alguns exemplos clássicos. O que deve ficar claro aqui é que sua empresa sempre pode pensar em novas formas de investir na saúde mental de seu time de colaboradores.


6. Experimente novos formatos de trabalho

Apesar de o modelo padrão de trabalho ainda ser o presencial que conhecemos, há diversas iniciativas que vêm tentando rever este formato, pensando justamente em proporcionar mais qualidade de vida aos trabalhadores.


Dentre elas, a mais famosa é justamente a modalidade home office, que ganhou destaque diante das restrições impostas pela pandemia de Covid-19.


Porém, não é a única. Há também o formato com horários flexíveis, no qual a pessoa tem liberdade para definir sua agenda.


Outra modalidade que tem se mostrado promissora é a semana de 4 dias, que vem sendo testada em países como o Reino Unido. A experiência, até o momento, demonstra que o modelo, além de não causar perda de produtividade, contribui com o aumento da qualidade vida e da satisfação dos colaboradores.


7. Promova a diversidade e inclusão na empresa

Investir em programas voltados para a promoção da diversidade e inclusão é uma ótima forma de criar um ambiente mais acolhedor e saudável para todos.


Isso porque uma das principais características que florescem nesses contextos é o respeito ao próximo, ponto básico para o desenvolvimento de relações positivas.


Desse modo, uma consequência natural é que as pessoas envolvidas se sintam mais motivadas a dar o melhor de si, colaborando com o sucesso da companhia.


Um bom exemplo de iniciativa com este foco foi o mês de DE&I, organizado pela Movile e suas empresas investidas. Nele, foram debatidos diversos temas relacionados à diversidade, equidade e inclusão no meio organizacional.


Você pode conferir a cobertura completa do evento em nossa página: Especial Mês da Diversidade.


A saúde mental no trabalho é um compromisso de todos!


Assumir um compromisso com a saúde mental no trabalho é fomentar o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal.


Não se engane! Isso não é “apenas um gasto”, como muitos pensam. É sim, um investimento! É zelar pela satisfação daqueles que contribuem diariamente para o crescimento da empresa.


É importante salientar que o trabalho vai além da relação entre empresa e colaborador. Ele faz parte das nossas vidas e nos permite assumir um papel de protagonismo na sociedade.


Assim, é preciso levar em conta que o corpo que trabalha é essencialmente biológico, mas também é social. Logo, as relações e práticas desenvolvidas dentro do ambiente organizacional podem interferir em sua saúde física e psicológica.


Portanto, cabe às companhias zelar pelas pessoas, proporcionando a elas um ambiente positivo e acolhedor, onde se sintam à vontade para dar o melhor de si.


Agora, queremos saber de você: como a sua companhia tem lidado com esta questão? Quais iniciativas estão sendo desenvolvidas para a promoção da saúde mental das pessoas? O que você acha que pode melhorar?


Compartilhe sua opinião e vamos, juntos, enriquecer este debate!


Gostou deste conteúdo? Então, compartilhe com seus colegas, gestores e líderes, para que todos entendam a importância da saúde mental no trabalho, e assim, promovam as mudanças necessárias, a fim de gerar bem-estar para todos.