• Redação

O novo profissional polímata: como aproveitar as múltiplas habilidades desse perfil?


o novo profissional polímata

Qual perfil de profissional é melhor ter na sua empresa, o especialista ou o generalista? Uma forma de chegar a uma resposta para essa questão é entendendo quem é o novo profissional polímata.


Trata-se de uma pessoa com amplo conhecimento em diferentes áreas, ainda que essas não tenham qualquer relação direta entre si. Isso significa que não é alguém que somente tem muita curiosidade e que, por conta disso, se aventurou entre vários assuntos, sem se aprofundar em nenhum deles.


A verdade é que o novo profissional polímata realmente estudou a fundo as áreas que despertaram seu interesse. Do ponto de vista empresarial, a contratação de uma pessoa com esse perfil tem como uma das principais vantagens a conquista de um talento múltiplo, com habilidades que podem ser exploradas positivamente em diversas frentes e em diferentes momentos do negócio.


E por quais outras razões um(a) colaborador(a) com esse perfil pode ser benéfico para o crescimento de uma empresa? Um dos motivos é que pessoas com essa característica tendem a se adaptar melhor e mais rapidamente a diferentes cenários, visto que a multiplicidade, a versatilidade e o interesse pelo novo já fazem parte da sua essência.


Mas se esses(as) funcionários(as) detêm tantos conhecimentos, é bem provável que companhias com culturas e/ou regras limitantes não sejam interessantes para eles(as), assim como líderes restritivos(as).


Em outras palavras, significa que tanto a empresa quanto os gestores e o RH precisam se ajustar e se adequar para contratar e trabalhar com profissionais com esse perfil.


Quem é o novo profissional polímata?

A palavra polímata é originária do termo do grego clássico polumathēs que, por sua vez, é formado pela junção do ​​prefixo polu, que significa múltiplo ou poli, e pela palavra manthanein, que é a raiz do verbo aprender.


Assim, uma pessoa polímata pode ser definida como "aquela que aprendeu demais". Se considerarmos a explicação do dicionário Michaelis, trata-se de "pessoa que conhece muitas ciências".


Mas assim como dissemos logo no início deste artigo, o novo profissional polímata não é aquele que tem conhecimentos variados a níveis superficiais. Para realmente se enquadrar nesse perfil, a pessoa precisa ter entendimento e compreensão aprofundados em diferentes áreas, ainda que essas não se relacionem ou complementem.


Para esse conceito ficar mais claro, é interessante que você conheça quem são os grandes polímatas da história da humanidade. Dois ótimos exemplos são Leonardo da Vinci e Isaac Newton.


Entre as áreas dominadas por Leonardo da Vinci estavam Anatomia Humana, Matemática, Engenharia Civil, Arquitetura, Óptica e Escultura. Já Isaac Newton compreendia com excelência Ciência, Física, Óptica, Filosofia, Astronomia e Matemática.


Dica de leitura: "A importância de nunca parar de aprender e 5 lições que trouxe de Harvard sobre pessoas"


Vantagens e desvantagens de contratar um profissional polímata

No nosso artigo "Habilidade de aprender vai diferenciar os profissionais do futuro", apresentamos alguns dados que podem ser relacionados com o perfil polímata. Inclusive, as percepções obtidas com essas informações podem ser vistas como vantagens de ter esse perfil de profissional no quadro de colaboradores.


Um deles é um estudo que destaca que mais de 80% das funções que existirão em 2030 ainda não foram criadas. Para suprir essa demanda que está por vir, a evolução no modo de aprender é essencial.


E por falar em aprender, o segundo ponto que queremos destacar da matéria citada é que pessoas que aprendem mais rápido, têm duas vezes mais chances de promoção.

Juntando essas duas constatações, é possível entender que um dos benefícios de ter no quadro de funcionários(as) o novo profissional polímata, é que pessoas com esse perfil costumam estar mais bem preparadas para ocupar cargos inovadores, bem como se tornarem líderes mais competentes ao longo de suas carreiras.


Inclusive, isso pode ser relacionado ao conceito "lifelong learning", que é a habilidade de continuar aprendendo ao longo da vida. Considerando também que pessoas polímatas se aprofundam em seus conhecimentos, isso forma profissionais experts em vários temas, o que pode ser bastante valioso para as empresas, especialmente as que visam inovação.


No que se refere à desvantagem de trabalhar com o novo profissional polímata, é preciso apenas se atentar para o fato que conhecimentos muito amplos podem gerar frustração se não explorados adequadamente e, consequentemente, turnover.


O que estamos querendo dizer aqui é que, ao contar com um(a) colaborador com múltiplas habilidades, é bem importante valorizar essas competências, dando espaço para que sejam utilizadas, tanto visando o crescimento profissional dessa pessoa quanto o crescimento da empresa.


Leia também: "Geração Z: como e por que se adaptar às novas demandas"


Como se preparar para o novo profissional polímata

Uma pessoa polímata tem mais chances de se beneficiar do seu alto nível de conhecimento, e também de contribuir para a evolução da companhia na qual trabalha, se também for nexialista.


O perfil nexialista é aquele que consegue fundir diferentes áreas de conhecimento, identificando conexões entre elas e formas de usá-las em conjunto. Em outras palavras, pessoas com essa característica podem ser definidas como aquelas que pensam "fora da caixa".


Uma grande vantagem dessa maneira de pensar e de agir é que profissionais assim conseguem ver uma mesma situação por diferentes óticas, o que aumenta as chances de identificarem diferentes soluções para um mesmo problema.


Para se preparar para esse novo perfil, é essencial que a empresa tenha uma cultura de valorização dos pontos de vista, experiências e opiniões e vindas de colaboradores e colaboradoras.


A ideia, portanto, é abrir espaço para que, dentro das suas responsabilidades, os(as) profissionais tenham voz para apresentar suas propostas e posicionamentos.


Uma forma de chegar a um cenário como esse é a liderança promover a segurança psicológica, criando um espaço no qual o profissional polímata possa se manifestar sem receio e ter todas as suas habilidades trabalhadas de uma forma positiva e benéfica, tanto para ele(a) quanto para a companhia.


O nosso artigo "Segurança psicológica: qual o papel do RH na implementação desse conceito?" mostra como esse setor pode contribuir para a formação de um ambiente com essas características.


E para não perder outros artigos tão ricos quanto este, assine agora mesmo a newsletter do Movile Orbit.


 

Redação | Movile Orbit