• Redação

Mercado de games: seria essa a indústria do momento?


O mercado de games mundial foi avaliado em US$ 163,1 bilhões em 2021, segundo dados apurados pela empresa TechNET Immersive e divulgados no site Invision Community.


Um dos motivos para esse valor tão expressivo é que, enquanto muitos setores foram afetados negativamente pela pandemia, o de jogos eletrônicos colheu excelentes frutos que resultaram na sua expansão. Por esse motivo, é praticamente certo que essa avaliação subirá consideravelmente ao longo de 2022.


As poucas, para não dizer nulas, opções de lazer durante o momento mais intenso de isolamento social fez aumentar o número de jogadores online. E considerando que muitas das tendências desse período tendem a se manter, com o mercado de games a expectativa não é diferente.


Apenas para você ter uma ideia desse crescimento, uma matéria da Forbes revelou que empresas como Sony e Microsoft bateram números recordes de fluxo de receita com jogos — apenas a Microsoft teve aumento de 50% no seu faturamento com games no primeiro trimestre de 2021.


Não por menos, dados da empresa de consultoria Newzoo destacam que, até 2023, a indústria dos games deve faturar US$ 200 bilhões, mundialmente falando.


Quanto a isso, vale destacar que, em 2020, esse setor teve crescimento de mais de 23%, o que já era um recorde; e em 2021 movimentou US$ 175,8 bilhões (ambos os dados também são da Newzoo e foram divulgados na Forbes).


Mas será que só as empresas nativas do mercado de games podem se beneficiar dessa expansão? As brasileiras Magazine Luiza e O Boticário já identificaram boas oportunidades de negócio, assim como o gigante McDonald's.


O mercado de games no Brasil e no mundo

Em 2017, o mercado de games estava avaliado em US$ 78,1 bilhões. Já em 2019, subiu para US$ 152 bilhões, chegando no ano passado aos US$ 163,1 bilhões que citamos logo no início deste artigo, segundo a empresa TechNET Immersive. Ou seja, o seu crescimento é mais que visível.


Em número de usuários, o mesmo levantamento apontou que já existem mais de 2,5 bilhões de jogadores em todo mundo, sendo os países com maior participação a China (500 milhões), União Europeia (243 milhões), EUA (167 milhões) e Reino Unido (32 bilhões).


Por aqui, dados da 8ª Pesquisa Game Brasil revelaram que 72% da população jogam games eletrônicos. Devido à pandemia, 51,5% fizeram mais partidas online. Além disso:

  • 75,8% jogaram mais durante o isolamento social;

  • 60,9% consumiram mais conteúdos relacionados a esse universo;

  • 42,2% gastaram mais com jogos durante esse período.

Esses dados confirmam o que dissemos na abertura desta matéria, quando destacamos que o mercado de games teve importante e significativo crescimento em decorrência da pandemia do coronavírus.


Com relação aos equipamentos usados para os jogos, as preferências são:

  • smartphones:

  • 37,8% homens;

  • 62,2% mulheres.

  • console:

  • 61,9% homens;

  • 38,1% mulheres.

  • computador:

  • 59,6% homens;

  • 40,4% mulheres.


Curiosidade: segundo essa mesma pesquisa, 51,5% do público de jogadores de games no Brasil é feminino.


Dica de leitura: “Liderança feminina: 8 lições de mulheres founders para conquistar espaço no mercado


A indústria de games é emergente

Em novembro de 2021 a rede varejista Magazine Luiza anunciou a sua entrada no mercado de jogos eletrônicos. De acordo com o divulgado em uma publicação no site InfoMoney, o objetivo da empresa é investir em jogos prontos ou que estão em desenvolvimento, mas que sejam de estúdios brasileiros.


O foco com essa estratégia é conseguir expandir as soluções oferecidas em seu aplicativo. Para isso, a Magazine Luiza visa apostar nos “jogos hipercasuais” que são games mais simples, a serem jogados via smartphone, gratuitos e monetizados por anúncios.


Mas outras marcas também viram na indústria dos games boas oportunidades de se destacarem e, com isso, alavancar os seus negócios. Um bom exemplo é a empresa brasileira de cosméticos O Boticário.


Desde 2021, é possível encontrar uma loja da rede no jogo Avankin Life, direcionado para moda e estilo de vida, e que funciona no mesmo estilo do The Sims.


A presença virtual de O Boticário no mercado de jogos eletrônicos visa alcançar diferentes públicos, bem como estreitar a conexão com seus consumidores, especialmente os que fazem parte dessa geração mais conectada e engajada com as marcas.


É interessante destacarmos que no Avanking Life também estão presentes a Nike, a Oakley, a ModCloth, entre diversas outras companhias.


Seguindo essa linha de abordagem, o McDonald’s colocou uma versão da loja Méqui 100, localizada na Avenida Paulista, em São Paulo, nos jogos Minecraft e The Sims 4, em fevereiro de 2021.


No primeiro game, os jogadores podem fazer pedidos para o McDelivery utilizando um QR Code. Já no segundo, a rede de lanchonetes participa como parte do cenário da websérie Girls in the House, criada a partir desse jogo, permitindo que os jogadores tenham acesso a itens da construção da loja no espaço virtual.


Aproveite e leia também: “ENTREVISTA | Metaverso: o que esperar do futuro dos games na era da realidade virtual?”


O mercado de jogos no futuro

Após todas essas informações, não restam dúvidas quanto ao potencial de crescimento do mercado de games aqui e no mundo. Essa expansão, como você também pôde ver, beneficia tanto os negócios nativos desse setor quanto os demais, que podem “pegar uma carona” nesse segmento.


No campo das startups brasileiras de desenvolvimento de jogos, especificamente, podemos citar duas que entraram para a lista de maiores empresas de games do Brasil: a Wildlife Studios e a RadarFit.


Segundo matéria da Forbes, a Wildlife Studios se tornou unicórnio em 2019, decorrente de um aporte de US$ 60 milhões. Esse investimento fez com que a empresa, que desenvolve jogos para dispositivos móveis, subisse sua avaliação para US$ 1,3 bilhões.


Já a RadarFit, game brasileiro com foco em atividades de saúde e bem-estar, levantou um aporte de R$ 3 milhões, em 2021, também segundo a Forbes. Empresas como Hotmart, Banco do Brasil e Nubank adotaram o jogo como um dos benefícios disponibilizados para os seus colaboradores.


Neste artigo falamos quanto gera a indústria dos games em todo o mundo, qual o mercado de games no Brasil, e diversas outras informações sobre esse tema.


Assuntos como esses interessam a você? Então assine agora mesmo a nossa newsletter e não perca nenhuma das nossas publicações.


 

Redação | Movile Orbit