top of page
  • Redação

Como levantar investimento para startup: etapas para iniciar a busca por capital


como levantar investimento para startup

O processo de como levantar investimento para startup difere de acordo com a maturidade da companhia. Ou seja, dados e informações que precisam ser apresentados precisam estar alinhados à rodada de investimento - o que é preciso demonstrar em um Pré-Seed difere do que se deve comprovar para conquistar um investimento em rodadas Seed ou Série A.


Para você entender melhor esse contexto, no Pré-Seed seu pitch precisaria detalhar recursos como:

  • descrição do time, com perfil dos profissionais, capacitações e experiências de cada um;

  • descrição de produto e/ou serviço, e definição de como a solução criada atende às necessidades do público-alvo;

  • apresentação do potencial de crescimento e de abrangência de mercado.


Já no Seed entram também:

  • provas que o produto e/ou serviço tem poder de tração;

  • apresentação de dados sobre as primeiras vendas;

  • confirmação que se trata de um modelo de negócio escalável.


Indo mais adiante, para a Série A:

  • demonstração do crescimento da lucratividade;

  • apresentação da estratégia de crescimento da solução com base no retorno dos clientes;

  • demonstrativo do potencial para escalar as vendas.


Por diferenciações como essas é que se torna tão importante descobrir como levantar investimento para startup.


6 passos de como levantar investimento para startup

Considerando empresas de estágios iniciais que já receberam o investimento anjo e, agora, estão em busca do segundo ou terceiro aporte, os passos sugeridos de como levantar investimento para startup são:

  • organize a parte financeira;

  • mantenha a documentação em dia;

  • mensure suas métricas;

  • defina seu planejamento;

  • conquiste boas referências;

  • prepare-se para o processo de Due Diligence.


Organize a parte financeira

Visto que a startup já tem alguma lucratividade proveniente das primeiras vendas, é fundamental que os registros contábeis estejam em dia para serem apresentados aos potenciais investidores.


Somado a isso, é bem importante ter estruturado e pronto para ser entregue um planejamento orçamentário de como o recurso captado será aproveitado pela companhia.


Mantenha a documentação em dia

O segundo passo de como levantar investimento para startup, é ter toda a documentação do negócio devidamente em dia.


Contratos de trabalho, registros de ações, processos de M&A, pagamentos de tributos, entre outros, são apenas alguns exemplos de documentos que podem ser solicitados pelos investidores para análise antes da tomada de decisão. Por isso, é essencial que estejam organizados e dentro das normas.


Mensure suas métricas

As métricas são ferramentas quantitativas que ajudam a mensurar resultados de um processo, estratégia ou ação. No caso de uma startup, algumas das que podem ser utilizadas são:

  • CAC, Customer Acquisition Cost

  • LTV, Lifetime Value Customer

  • ARR, Annual Recurring Revenue

  • NPS, Net Promoter Score

  • ROI, Return over Investment

  • Churn Rate

  • Retention Rate

  • Taxa de crescimento


Ter essas informações é outra maneira de comprovar para possíveis investidores quanto o negócio é rentável e tem potencial de expansão.


Dica de leitura: "T2D3: métrica de crescimento exponencial que ajuda a transformar startups em unicórnios"


Defina seu planejamento

Os planejamentos que estamos nos referindo neste passo são os relacionados a planos de investimento, atração e contratação de novos talentos, estratégias de marketing, entre outros. Ou seja, todos os planejamentos que contribuam e resultam no crescimento da empresa e que demonstrem o que se pretende alcançar com o aporte desejado.


Conquiste boas referências

Não é raro que os possíveis investidores queiram conversar com empresas relacionadas à startup para analisar questões como cumprimento de contratos, relacionamento com terceiros, entre outras similares.


Por conta disso, manter boas interações é tão importante em todos os estágios de amadurecimento de uma empresa.


Prepare-se para o processo de due diligence

Due Diligence é um processo no qual se investiga os possíveis riscos que uma empresa pode gerar para seus stakeholders.


Certamente, antes de injetar dinheiro na companhia, os investidores solicitarão essa análise mais aprofundada do negócio, no qual são escaneados todos os setores, o que inclui financeiro, jurídico, pessoal, tecnológico e até boas práticas de ESG.


O nosso artigo "ENTREVISTA | Due Diligence: como funciona e qual a melhor maneira de se preparar para esse processo?" traz detalhes sobre esse processo. Por isso, não deixe de ler!


Quando começar a busca por investimentos para startup?

O ideal é que a busca por investimentos comece tão cedo quanto for possível. Por exemplo, assim que os(as) idealizadores(as) tiverem a construção do MVP definida e o público e/ou mercado identificado, já podem ir atrás da captação dos primeiros recursos.


Mas para ficar mais claro, descreveremos também quando não é indicado tentar investimentos:

  • quando não se tem conhecimento suficiente do mercado no qual se pretende atuar, negligenciando a existência de concorrentes, entre outros pontos semelhantes;

  • quando não se tem dados suficientes para comprovar a viabilidade econômica da startup e seu potencial de crescimento;

  • quando não se tem clareza dos próximos passos da startup e o que se pretende entregar com o aporte recebido.

Quais são os modelos disponíveis de aportes que podem ser obtidos?

Entre os modelos para levantar investimento para startups que podem ser utilizados estão:

  • investidores anjo: que é a injeção de recursos financeiros feito por amigos, familiares, investidores anjo e fundos de investimento anjo;

  • programas governamentais: a exemplo do Fundo Perdido, cujo nome técnico é Subvenção ou Financiamento Não Reembolsável e do Start-up Brasil, que é o único programa do governo de incentivo a startups da área de TI;

  • aceleradoras: organizações que têm por objetivo acelerar e suportar o desenvolvimento das startups, ajudando-as a transpor o momento de incerteza rumo à sua concretização;

  • Private Equity: modelo de investimento no qual o investidor ou uma empresa gestora adquire parte do negócio no qual está investindo, se posicionando como sócio(a) a fim de alavancar seu crescimento;

  • Venture Capital: modalidade de investimento de risco formada por investidores e fundos de risco que, comumente, financiam negócios iniciantes de pequeno e médio porte por conta do potencial de lucratividade futuro apresentado.

  • programas e editais de bancos: fornecidos por bancos privados ou públicos, como o BNDES Garagem;

  • investimentos que se beneficiam da CVM 88: que é o novo marco legal das operações de crowdfunding no Brasil

Como escolher o melhor modelo de investimento?

A escolha do melhor modelo de investimento depende, especialmente, do nível de maturidade do negócio.


No investimento anjo, por exemplo, que contempla a fase inicial de uma startup, a captação de recursos tende a variar entre US$ 5 mil e US$ 150 mil. Já na Série A, esse montante pode chegar na casa dos US$ 10 milhões.


Ou seja, tudo depende de qual fase de crescimento a startup está e de quanto é necessário levantar para ajudá-la a dar novos passos rumo à sua expansão.


Quais erros devem ser evitados na hora de captar recursos?

Infelizmente, fundadores(as) estão passíveis de cometer erros ao levantar investimento para suas startups. Uma forma de evitar que você também cometa essas falhas é conhecendo quais são elas.


Assim, entre as mais comuns estão:

  • não ter um pitch deck bem estruturado e com informações relevantes;

  • apresentar informações e dados irreais ou que não podem ser comprovados;

  • focar apenas na parte financeira e não no suporte intelectual dos possíveis investidores;

  • se aproximar dos(as) investidores apenas no momento de solicitar recursos, não visando um relacionamento de longo prazo;

  • não estudar o histórico e o perfil do(a) investidor antes de entrar em contato.

4 dicas para conseguir bons investimentos!

Para finalizar este artigo, apresentaremos agora três dicas que podem ajudar bastante você a captar bons investimentos para sua startup, que são:

  • garanta a entrega de uma boa apresentação, sucinta, mas com informações e dados que contribuam para a tomada de decisão dos(as) investidores;

  • tenha como foco o crescimento do negócio, não o volume que pode ser captado, apresentando claramente o que será feito com o dinheiro recebido;

  • pesquise sobre os potenciais investidores antes de estabelecer um contato com eles, pois demonstrar interesse por sua jornada pode ajudar a estreitar o relacionamento que se pretende firmar;

  • potencialize seu networking, expandindo os contatos com pessoas que podem ajudar a captar bons recursos, ou mesmo a ter acesso a quem possa e tenha interesse em injetar capital no seu negócio.


Se este conteúdo agregou valor para a sua jornada, aproveite eassine a newsletter do Movile Orbit para receber quinzenalmente, direto no seu e-mail, os artigos que foram destaque.


 

Redação | Movile Orbit

 


bottom of page