• Redação

Venture Building: como as fábricas de startups podem criar um futuro melhor?


venture building

Como a inovação é parte natural (e primordial) do mundo das startups, não é de se estranhar que a própria maneira como essas empresas são criadas mudaria ao longo do tempo.


No caso, estamos falando do modelo Venture Building que, basicamente, consiste em uma empresa que cria outras startups.


Também chamada de Fábrica de Startups, Venture Production Studios, Estúdio de Tecnologia, ou Startup Studio, a Venture Building é uma companhia que utiliza seus próprios recursos e concepções para a construção de novas startups.


Na prática, esse tipo de organização considera as ideias que surgem em sua própria base para construir outras empresas inovadoras — por ideias, entenda visões particulares de demandas ainda abertas em variados mercados ou mesmo necessidades internas que são identificadas.


As "fábricas de startups" partem do princípio que investir em diversas startups simultaneamente eleva as chances de sucesso individual de cada uma delas, por isso, elas mesmas criam novas empresas desse modelo.


Além disso, consideram que a solução usada para resolver o problema de uma dessas companhias pode ajudar a solucionar os obstáculos de outras, formando uma rede de apoio mútuo com foco no crescimento.


Para chegar a esse resultado, esses estúdios de tecnologia destinam seus próprios recursos (financeiros e de tecnologia) e de mão de obra para fundarem novas startups.


Sobre isso, é preciso considerar também que essa forma de atuação pode ser vista como um novo modelo de negócio e de fonte de receita para startups já consolidadas.


Qual pode ser a contribuição de uma Venture Building para o mercado de startups?

Uma Venture Building tem uma forma de trabalho mais operacional e ativa. Por conta disso, sua contribuição na formação de novas startups costuma ser:

  • oferta de mão de obra especializada para a formação dos times;

  • injeção de recursos financeiros;

  • levantamento de capital externos;

  • construção do planejamento estratégico;

  • fornecimento de estrutura física para as equipes trabalharem;

  • construção de MVPs, Minimum Viable Product;

  • execução de campanhas de marketing, entre outras.


Formar um conjunto de startups é uma maneira de fomentar a criação de soluções únicas e potencialmente inovadoras, pois une a experiência de diferentes idealizadores e profissionais.


Por conta disso, uma das características de uma Venture Building é encontrar empreendedores e construir novas startups, e não investir dinheiro em uma startup já existente.


Desse modo, pode acontecer de dois ou mais idealizadores distintos, mas com ideias semelhantes e/ou que se complementam, serem colocados juntos para a construção de uma nova empresa.


Esse cenário contribui fortemente para a troca de experiência, por isso, pode ser o gerador de propostas de produtos e/ou serviços realmente inovadores e verdadeiramente nunca cogitados.


Não deixe de ler este artigo: "O que diz o Panorama Latam, pesquisa de investimentos de risco na América Latina, sobre o Brasil?"


Exemplos de Venture Building e tipos existentes

Este ainda é um mercado pouco explorado. No entanto, já é possível identificar participações importantes. Um bom exemplo é a Obvious Corp, companhia que participou da fundação do Twitter, Medium, Branch, Lift.


E assim como as startups exploram as brechas de diferentes setores, esses estúdios de tecnologia também têm focos distintos de atuação, que são:

  • Fábrica de Produto

  • Fábrica de Exits

  • Eficiência Operacional

  • Venture Capitalist


Fábrica de Produto

A proposta de uma "Fábrica de Produto" é ajudar os empreendedores a formarem um time de produto eficiente, deixando que caminhem sozinhos a partir daí. Por essa contribuição, a fábrica de startups fica com pequeno percentual de participação no negócio.


Fábrica de Exits

No formato "Fábrica de Exits", a ideia é construir uma startup já pensando em vendê-la futuramente. Para chegar a esse resultado, são identificadas brechas deixadas pelos modelos tradicionais de negócio, as quais têm potencial de lucratividade se exploradas adequadamente.


Nesse modelo, a Venture Builder se posiciona como acionista majoritária da empresa, visando realizar uma transação de venda futura na casa dos milhões de reais.


Eficiência Operacional

Também atuando como acionista majoritário, nesse tipo de Venture Builder são oferecidas às startups criadas todo o suporte operacional necessário para o seu crescimento, tais como financeiro, contábil, de marketing, entre outros.


O objetivo é garantir que os empreendedores foquem apenas no crescimento da empresa, deixando de lado outras preocupações.


Venture Capitalist

Aqui, a meta é criar startups que seguirão o trajeto de Venture Capital. Por esse motivo, o foco da atuação da Venture Builder está em validar as etapas iniciais da nova companhia, a fim de garantir a entrega de um bom produto/serviço para o público-alvo.


Dica de leitura: "Como a Movile investe em startups, com Silvia Motta"


Fábrica de startups são interessantes para empreendedores?

Sim, são interessantes por diversos motivos, e um dos que mais se destaca é a possibilidade de tornar os fatores risco e retorno mais equilibrados.


Essa possibilidade pode ser alcançada porque não é preciso, necessariamente, ter uma ideia. Em uma fábrica de startups, quem pretende se tornar um founder nessa área pode, simplesmente, participar com o compartilhamento de suas experiências.


Somado a isso, não há a preocupação de encontrar o sócio certo, visto que essa junção de idealizadores tende a acontecer dentro da própria Venture Builder.


Outros pontos que tornam as Venture Production Studios interessantes para quem quer empreender nessa área são:

  • contar com o suporte da fábrica de startups para suprir competências e experiências que não possui;

  • não se preocupar, em geral, com conseguir investimentos;

  • contar com o compartilhamento de recursos operacionais necessários para viabilizar o negócio.


Aproveite e leia também: "Investimentos em fintechs: ainda há espaço nesse mercado?"


Por que esse pode ser um novo modelo de negócio para o futuro?

Como dissemos logo na abertura deste artigo, se tornar uma Venture Builder pode ser uma estratégia interessante para startups já consolidadas. Entre os motivos estão a possibilidade de explorarem um novo modelo de negócio e a geração de uma nova fonte de receita.


Entretanto, antes de se aventurar nessa possibilidade, é bem importante que os founders considere os prós e os contras de uma fábrica de startups:


  • Prós:

  • redução de custos na formação de novas empresas;

  • compartilhamento de recursos e de experiências, o que ajuda a potencializar o crescimento das novas companhias;

  • participação acionária nas startups criadas;

  • chance de explorar outros mercados.


  • Contras:

  • ter que injetar o próprio capital;

  • precisar de um time robusto para dividir com as startups que estão sendo criadas;

  • apostar em ideias que não são verdadeiramente promissoras;

  • tentar explorar segmentos desconhecidos, e falhar se não juntar profissionais com experiência suficiente.


Quer conhecer outras tendências do mundo das startups? Então assine agora mesmo a newsletter do Movile Orbit e receba as principais novidades quinzenalmente direto no seu e-mail.