• Redação

[Case] Por que investir no desenvolvimento de áreas de suporte?




Muitas vezes, quando você se identifica como uma área de suporte, não é tão fácil enxergar o papel frente ao seu negócio ou qual o seu impacto para atingir o propósito da organização. E por isso, é comum que as nossas áreas despriorizem alguns processos tão importantes para a formação de times de alta performance, como treinamento e desenvolvimento.


Para sermos estratégicos, precisamos primeiro saber o nosso propósito como área para conectá-lo ao nosso propósito maior. Aqui no Grupo Movile, o sonho grande é “Impactar positivamente a vida de 1 bilhão de pessoas por meio dos nossos apps”.

A sorte é que temos líderes de facilities engajados em todo o grupo, que entendem a importância do desenvolvimento da nossa área. Juntos identificamos, por meio de uma análise SWOT, alguns desejos:


(I) Ter um posicionamento estratégico enquanto área de suporte (nosso propósito);

(II) Criação de Indicadores;

(III) Conseguir alinhar excelência operacional a inovação nos processos da área.


Temos uma rede rica de conexões dentro do nosso ecossistema — com pessoas incríveis, muitos desafios semelhantes e, principalmente, que procuram melhorar a performance em suas empresas. Não teria nada mais estratégico do que proporcionar um ambiente de troca e conexões, onde todos pudessem se ajudar, compartilhando conhecimento e boas práticas.


Na Movile, temos o costume de organizar offsites e, desde o início do ano, planejávamos fazer um de Facilities. Mas para quem tinha nos espaços físicos sua principal ferramenta de trabalho, isso era uma grande barreira — como tiramos o time dos escritórios, mesmo que por um dia? Bom, nossos planos foram adiados pela pandemia, mas encontramos aí a solução para o nosso maior problema.

Acreditamos que desenvolvimento precisa acontecer em todos os momentos, principalmente nos mais difíceis e complexos. Por isso, adaptamos o nosso evento para o formato online — o que nos rendeu um engajamento de 100% do time em todos os nossos encontros, algo que provavelmente não aconteceria se fosse presencial.


Juntos, entendemos que o propósito de facilities é:

“Trabalhamos para que as pessoas sejam mais produtivas, mais empoderadas e inspiradas para fazer o nosso sonho grande se tornar realidade”.


A partir disso, desenhamos a programação do nosso evento. Pensamos em toda a experiência online para o nosso evento (afinal, dificilmente a nossa área será surpreendida, porque estamos envolvidos em todas as ações) e em como cuidar do bem-estar do nosso time, já que estamos sempre pensando no bem-estar de todos do Grupo.


Trouxemos práticas de Mindfulness com a Paula Teixeira e kits personalizados para os participantes (com camisetas, adesivos, lanchinhos para o evento e até mesmo fotos de momentos importantes — um carinho em um momento tão complexo). Além disso, foi essencial trazer palestrantes que não fossem somente da área de Facilities para ampliar a nossa visão.



Realizamos 5 encontros (um encontro por semana) e contemplamos:

  • “Posicionamento Estratégico”, com Fernão Fernão Loureiro, que abordou pilares para um posicionamento estratégico, dando foco para a comunicação e protagonismo;

  • “Estratégia”, com Isabelle Hirayama, que conseguiu desmistificar a palavra estratégia, transportando o tema para a nossa realidade e trazendo exemplos claros de como áreas de suporte se transformaram em áreas extremamente estratégicas. Além disso, por ser do Grupo, a Isa conseguiu nos dar direcionamento sobre como estão caminhando nossos negócios e provocar reflexões sobre a nossa atuação;

  • “Indicadores: o que não é medido não pode ser gerenciado”, com Rosangela Manteigas e Kátia Gadelho. Indicadores são fundamentais para orientar nossas ações, identificar falhas e guiar as tomadas de decisão; As provocações foram super importantes — tanto para quem não tem indicadores quanto para quem mede tudo, mas no final não mede nada porque não consegue fazer o acompanhamento necessário com o time.

  • “Ambidestria”, com Luciana Carvalho: A VP de Gente e Gestão da Movile nos trouxe um fundamento essencial para toda a organização: a necessidade da excelência operacional alinhada com o estímulo à inovação. Se não conseguimos nos adaptar à volatilidade e a momentos complexos, não conseguimos ser competitivos e transformar o nosso negócio. Para isso, são pilares importantes: tolerância ao erro, agilidade, resiliência, e saber que a verdadeira inovação é transformar novas ideias em resultados.

  • Fechamos a nossa programação com um treinamento sobre um tema extremamente estratégico para todo o Grupo Movile: “Diversidade & Inclusão”, com a Débora Nunes (líder do RESPECT), Regina Ribeiro (líder do pilar de gênero) e Natália Zeferino (Gerente de Gente e responsável pelas ações de Diversidade). Além do contexto sobre diversidade no Grupo, elas compartilharam conhecimentos básicos sobre os pilares de gênero, etnia, LGBTI+ e PCD, além de exemplos práticos para tornarmos os serviços que gerenciamos hoje mais inclusivos, saindo do clichê de olharmos somente para a acessibilidade. Fizemos uma dinâmica para evidenciar como podemos ter mais protagonismo nesse tema, ajudando a transformar as empresas do Grupo em lugares realmente diversos e inclusivos.

Além da programação, criamos o projeto #MãoNaMassa, para conectar pessoas de todo o time de facilities e fixar o conteúdo apresentado nos talks. Para o projeto, dividimos os participantes em grupo mistos, sempre com uma liderança mentora.

Todos os grupos deveriam apresentar, em torno de 40 dias, um projeto ou solução para um desafio que estavam enfrentando, utilizando conteúdos que foram apresentados durante o evento. Os mentores dos grupos deveriam eleger o melhor projeto com base nos critérios de inovação, valor agregado e aplicabilidade. No fim, os projetos foram de altíssima qualidade, superando expectativas. Para reconhecê-los, entregamos uma mini Chandon — um rito de celebração clássico por aqui — e, para a equipe vencedora, mais alguns reconhecimentos.



Nossos times suportaram e suportarão diversas estratégias das empresas durante a pandemia — principalmente com a adaptação para o home office, garantindo produtividade com ergonomia, cuidado, bem estar, proporcionando as ferramentas necessárias e levando a nossa cultura para a casa dos funcionários. Somos essenciais para os processos de retomadas dos escritórios, para garantir a saúde e segurança de todos.


Só podemos superar expectativas e garantir a nossa alta performance e alinhamento com a estratégia se priorizarmos o desenvolvimento constante dos nossos times, especialmente em momentos de incerteza. Quando o nosso grande sonho é impactar positivamente a vida de 1 bilhão de pessoas, tudo começa em como impactamos e cuidamos positivamente da vida das nossas pessoas.


 


Thays Borin é Coordenadora de Facilities na Movile